Carta aberta aos investidores em Startups

Carta aberta aos investidores em Startups

O mercado financeiro está mais agitado do que o normal nessas últimas semanas e, basicamente, todo este cenário de aparente questionamentos e dúvidas se dão em função do perigo de combinar o pensamento de curto prazo com as decisões de investimento de risco em Venture Capital que é de longo prazo.

E este é o primeiro ponto que gostaria de destacar aqui, é claro que o atual momento do Venture Capital exige, no mínimo, mais observação e cautela. O que nunca foi ruim, pelo contrário. Na Bossanova, todos os nossos conteúdos e divulgações batem nesta tecla da consciência e entendimento quanto ao mercado de VC e seus desafios, bem como sobre retornos sempre dentro de uma expectativa mais conservadora.

Logo, minha primeira afirmação nesta carta aberta ao público geral, mas direcionada principalmente para os nossos co-investidores e investidores em Startups em qualquer estágio ou série são:

Não ter liquidez, no curto prazo, NÃO é um problema no investimento em Startup.

– Taxa de JUROS ou taxa SELIC é uma coisa, IRR é outra.

– Investimento alternativo deve ser feito apenas com uma pequena parcela do seu patrimônio

– Dificilmente você terá algum retorno do seu investimento antes de 3 anos.

Dito isso, as próximas observações são consequências deste entendimento. Se a liquidez é um recurso e não um “problema”, a perspectiva e seu nível de consciência se expande. E quando se trata de longo prazo, e dos fundamentos do investimento em Startups, as oscilações do mercado em uma análise macro, praticamente não deveria afetar ou mudar a sua decisão sobre esta modalidade de investimento.

No dia 19 de maio a carta da YCombinator divulgada, e que tem obtido repercussão no ecossistema, foi escrita de forma oportuna e inteligente que serve de alerta aos founders alertando para em resumo “Se preparem e planejem para o pior”, com base em uma onda de medo e pessimismo nos Estados Unidos. E o eco geral é que isso reflete e se expande também para a América Latina.

A questão é a realidade de um mercado na América Latina que, ano após ano, tem batido seus próprios recordes com resultados que fundamentam este meu raciocínio.  Só para ter uma ideia, segundo a LAVCA no primeiro trimestre de 2022 foi investido na América Latina 2.7 bilhões de dólares em Startups, ou seja, 67% a mais do que o primeiro trimestre de 2021.

Ahh João, resultado passado não garante o futuro. Claro que não, e passa por aí mesmo, de fato pode existir uma escassez no investimento em Startup, e por isso, todos nós devemos ter mais prudência nos nossos investimentos. Prudência sempre, parar por medo, nunca.

Explico:  se estivermos falando de Startups mais later stage, certamente as rodadas maiores devem ficar mais difíceis e lentas. E, por isso, os unicórnios e as grandes empresas de tecnologia se desesperam na urgência para equilibrar o caixa e ajustar time, ou seja, essas startups que tinham foco na abundância contavam com estruturas inchadas, grandes números de clientes e custos fixos mais altos. Por outro lado, startups que sempre estiveram focadas na geração de caixa e em pagar suas próprias contas não vão ter problemas para passar por essa fase de ajustes.

Esta minha carta é um esclarecimento em resposta não apenas a carta da YCombinator, mas principalmente para alertar e mostrar aos investidores que diferente do “caos” que boa parte dos conteúdos divulgados tem focado em apresentar, os últimos acontecimentos vão servir apenas como indicadores e mostrar boas oportunidades de investimentos, assim como as boas startups vão continuar sendo boas (com equipes completas, com controle e gestão), talvez com valuation menores e mais próximos da realidade o que, de novo, não tem nada de ruim.

Investidores atentos e seguros dos seus passos vão continuar investindo para diversificar e ampliar suas carteiras e retornos, o poder do equity nunca fez tanto sentido. Minhas 10 considerações e constatações sobre o atual cenário do Venture Capital mundial, são:

  1. Do lado dos investidores, o status é de cautela, mas o foco deve ser no fato de que ainda existe liquidez no mercado e muitos fundos estão captados, que agora toma uma postura de maior diligência para realização de seus deals e, provavelmente, veremos menos casos de múltiplos esticados e valuations surreais.
  2. Como reforcei ainda acima, o horizonte de investimento em Venture Capital é de longo prazo. E bons aportes que agora conseguem ser realizados em valuations mais ajustados e com um racional adequado, visando pelo menos três anos para qualquer evento de liquidez, irá refletir em um contexto em que provavelmente já teremos o mercado em um cenário mais otimista. Ou seja, aqueles que agora estão com caixa para investir, possuem a oportunidade de obter os melhores retornos.
  3. O comportamento dos grandes fundos (estágios série A em diante) devem mudar para menos deals em Startups com operações muito mais saudáveis e rentáveis. A tendência é que o ticket médio dos aportes também diminua.
  1. Investir em Startups é investir em EQUITY, em empresas de capital fechado, que não depende de oscilações, volatilidade e especulações. Depende unicamente do crescimento do negócio e seus próprios resultados.
  2. Investir em STARTUPS é diferente de investir em Renda Fixa. Quando você Investe em Startups é seu dinheiro aportado em GENTE, em Capital Produtivo, para gerar renda, trabalho, impostos e desenvolvimento econômico, porém sem nenhuma garantia ou liquidez. Já investir em Renda Fixa, no Tesouro Direto, por exemplo, é seu dinheiro comprando um título do governo para financiar as dívidas públicas. No caso do título CDB, é emitido por bancos para captar recursos, com garantias e com seu dinheiro rendendo taxas fixas. Na prática, é seu dinheiro parado e improdutivo, sem esforço, como se você emprestasse com garantias para o Governo ou para o banco. Eu prefiro investir em ativo que dependem UNICAMENTE do esforço PRODUTIVO para crescer e não do ESPECULATIVO ou com base na volatilidade de fatores externos. Pra mim, este é o segredo para quem já compreendeu o Jogo do EQUITY.
  3. Para aqueles focados em investir para gerar ganhos e lucro rápido, Startup não deveria ser seu investimento.
  4. As startups em estágio inicial (Anjo, pré-seed e Seed) estão unicamente posicionadas para desenvolver um negócio sustentável desde o princípio, fazer mais com menos caixa e com respeito ao combinado com o investidor, essas sim podem multiplicar seu valor investido no médio/longo prazo.
  5. Do outro lado – das Startups, agora é a hora de buscar incentivar para que as investidas também se empenhem no seu “dever de casa”. Buscar o breakeven, segurar caixa para voltar a investir num próximo ciclo de crescimento, perceber que podem não alcançar o planejado e, certamente, boa parte das startups que precisarão de novas injeções de capital podem ser forçadas a encarar um down round, ou seja, aceitar um valuation menor do que a rodada anterior.
  6. Os investidores em Startups querem saber quem está realmente focado em construir negócios que resolvem problemas reais e geram valor. E isso nunca vai mudar. Desde que o mercado existe passa por ajustes que são naturais e consequências de movimentos e aceitação de quem o compõe.
  7. E, por fim, como alertou Pierre Schurmann sobre o assunto. Como consequência dos últimos acontecimentos, é bem provável que haja uma seleção natural dos empreendedores e um pouco de volta às origens do ecossistema de startups. O impulso historicamente era de mudar o mundo, buscar a disrupção. E para nós, isso confere um certo alívio, porque esses ajustes vão separar o joio do trigo.

Portanto, não existe CAOS ou “surpresa” para quem já fazia o certo! Este é um ajuste necessário.

Vamos continuar a investir e empreender.

Vamos continuar contribuindo com o desenvolvimento econômico do Brasil.

João Kepler – CEO da Bossanova Investimentos.