Com desemprego, crescem as buscas por trabalho em aplicativos de delivery

Com desemprego, crescem as buscas por trabalho em aplicativos de delivery

Levantamento exclusivo realizado pela startup investida da Bossa Nova de inteligência de marketing e aquisição para apps – RankMyAPP, mostra que o número de downloads de aplicativos para quem quer trabalhar como entregador de produtos (delivery) cresceu 200%, em média, nos meses de março e abril.

De acordo com a empresa, abril teve a maior adesão dos últimos seis meses, com aplicativos de delivery instalados em mais de 22 milhões de celulares. O fenômeno pode ser explicado pelos efeitos do coronavírus no aumento do desemprego e na redução de salário e da carga horária, prevista na Medida Provisória 936.

O crescimento do desemprego afetou todas as regiões do Brasil durante o primeiro trimestre deste ano, chegando a 1,2 milhões de pessoas, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para Leandro Scalise, CEO do RankMyApp, os aplicativos já vinham provocando uma série de mudanças nos hábitos dos brasileiros e a crise instalada com a pandemia ajudou a acelerar esse comportamento. 

– Estou inserido no mercado mobile há 7 anos e presenciei várias mudanças já previstas no uso dos aplicativos, porém, o comportamento do usuário durante a pandemia é algo que acelerou muito essa mudança. Nossas pesquisas têm apresentado alto crescimento no número de downloads e visitas a determinados segmentos de apps e especificamente ao nicho de apps de delivery, tanto de usuários finais quanto de entregadores -, analisa.

Além dos entregadores, os aplicativos de delivery também aumentaram entre os consumidores. Pesquisa realizada pelo RankMyAPP, em março, mostra que o número total de apps instalados até dia 16 daquele mês já representava 61,3% do total de vezes que esses aplicativos foram baixados em todo o ano passado.

Danilo Alves

Danilo é jornalista formação com pós-graduação em Marketing Digital e Novos Novos Negócios. Trabalha no marketing digital da Bossa Nova Investimentos, o Venture Capital mais ativo da América Latina.