Se investimento fosse um esporte, você imagina que ele seria solo ou em equipe? Conseguiu imaginar?  

Vamos pensar por um pouco mais nisso.  

Em uma prática individual você é o responsável por todo resultado da partida. Você tem suas habilidades, seu treinamento e não depende de um parceiro para marcar pontos ou fazer defesas quando o jogo começa. 

Você pode até ouvir dicas, contratar conselheiros, mas no fim você colhe integralmente o fruto ou fracasso do seu esforço. 

Bem… em um esporte em grupo a lógica muda um pouco. Você tem um time!  

O seu sucesso depende de se cercar das melhores pessoas, treinar e confiar um nos outros para que cada um use o que tem de melhor para somar na equipe.  

Todos nós sabemos que o melhor atacante, não é necessariamente o melhor goleiro. Por isso, criamos equipes, somamos habilidades e dividimos riscos.   

Co-investimento faz parte da mesma lógica.  

Afinal, o que é co-investimento?  

De maneira bem prática o co-investimento acontece quando um grupo de pessoas se reúne com um montante para fazer aporte em uma ou mais startups.  

Essa forma de investimento não é nova no Brasil, mas é pouco conhecida.  

Ainda é muito presente no mercado a visão do investidor anjo que sozinho busca, seleciona e investe nas startups.  

Mas na prática, co-investir tem se mostrado uma realidade mais atraente para investidores novos e experientes. 

Isso acontece principalmente por dois motivos: aumento de capital e mitigação de riscos. 

Mas claro, existem outros:  

Co-investimemto: mitigação de risco e aumento de capital  

O co-investimento reúne o capital de um grupo de investidores aumentando assim o valor disponível para os aportes a serem feitos. Isso permite a entrada de investimentos mais robustos e mais diversificados no portfólio. 

De maneira bem simples. Se inicialmente os seus R$100 mil conseguiriam fazer aporte em apenas uma startup, dentro de um grupo de co-investimento você consegue diluir o risco investindo em mais negócios e aportando o mesmo valor que vai ser somado ao dos outros integrantes do grupo.

Quando em startups em early stage a diversificação é uma estratégia poderosa de mitgação de riscos.

Por que é bom para investidores novos e experientes? 

Lembra quando falamos sobre ninguém ser bom em tudo? O co-investimento é uma maneira de lidar com esse problema.

Para quem está começando a investir startups existem algumas habilidades importantes:  

Isso é o básico de um bom investimento.  

A boa notícia é que você não precisa saber tudo.  

Aliando investidores novos e mais experientes, o co-investimento também consegue cumprir o papel de transmitir conhecimento.  

Os co-investimentos costumam ter líderes mais experientes. Eles conduzem reuniões de pools, comitês com startups e trocam experiência com quem está começando a investir nesse mercado.  

No fim, o relacionamento com o grupo acaba se tornando a principal maneira de aprender sobre o mercado de startups enquanto você investe ao lado de pessoas já experientes.  

Em nossa rede de investidores é muito comum grupos de juntarem para fazer aporte em cima de uma tese específica e também somarem suas forças para ajudar startup com seu conhecimento.  

No fim, tanto investir solo quanto dentro de um grupo de investidores são opções reais com prós e contras para quem quer começar a investir em startups. 

Quer saber mais sobre o mercado de Venture Capital?   

Conheça nosso processo de investimento e assine a newsletter para participar dos nossos eventos.